Tomografia
Computadorizada

Tomografia Computadorizada Geral

A tomografia computadorizada é um exame não invasivo que, com imagens geradas via radiação e produzidas por computador, permite a visualização de órgãos, estruturas e tecidos de forma muito mais detalhada que uma radiografia comum. Esse exame tem a finalidade de explorar através de imagens de alta resolução várias partes do corpo: ossos, cérebro, rins, fígado, pâncreas, pulmões, ovários, vias biliares e pleura.

A tomografia é muito útil no diagnóstico de doenças, como: acidentes vasculares cerebrais (AVC), embolia pulmonar, pneumonia, aneurismas, edema cerebral, derrame pleural, fraturas, hemorragias e entre outros. Devido ao grande poder de detalhamento, é capaz de detectar nódulos ainda pequenos que, mais tarde, podem se tornar tumores.

As doses de radiação podem variar conforme o biotipo do paciente, o local a ser examinado e o tipo de patologia em investigação. Independentemente disso, são utilizados protocolos que seguem o princípio ALARA (As Low As Reasonably Achievable, em tradução livre, “tão baixo quanto razoavelmente exequível”), que é um conceito de segurança em procedimentos com emissão de radiação que tem por objetivo de minimizar o máximo possível as doses de expos sem prejuízo ao exame.

Além disso, nossos equipamentos de tomografia fazem parte da nova geração de tomógrafos computadorizados e permitem examinar grandes extensões do corpo com rapidez e conforto, com doses de radiação cada vez menores. As imagens geradas em 3D são de alta resolução e permitem a avaliação detalhada de qualquer região do corpo em todos os planos.

O exame é realizado por um técnico em radiologia. O paciente é colocado deitado sobre uma mesa que se move para dentro e para fora de um túnel redondo (chamado de tomógrafo). Durante essa movimentação, o tubo de raio-X se move em volta do paciente, emitindo feixes de radiação em ângulos precisos. As imagens são combinadas por modernos softwares de computador para mais tarde serem estudadas pelo médico radiologista.

Durante o exame é necessário que o paciente se mantenha imóvel, para não ter o risco de as imagens ficarem distorcidas. Em alguns casos, o médico pode pedir para que o paciente prenda a respiração em certos períodos, para melhor resultado.

A duração do exame depende da área a ser analisada e se há o uso de contraste. Geralmente, o tempo médio é de 10 a 30 minutos.

A sala tem temperatura reduzida, para o bom funcionamento do equipamento, mas cobertores estarão disponíveis, se assim o cliente desejar.

Durante todo o tempo de exame ele será observado através de uma janela especial que permite a visualização do paciente e do equipamento a partir da sala de comando.

É possível realizar o exame de tomografia computadorizada com uso de anestesia.

Pode ser realizado em gestantes em casos de extrema necessidade, conforme orientação/solicitação médica.

Durante o agendamento, é de extrema importância responder a todos os questionários com atenção.

Tomografia por Contraste

O contraste para o exame é à base de iodo. Indivíduos alérgicos precisam de avaliação do radiologista antes do uso de contraste. Neste caso, o especialista pode medicá-los antes de a substância ser utilizada ou até mesmo proibi-la.

É utilizado por dosagem de acordo com o peso corporal e em alguns tipos de avaliação, conforme orientação médica, estrutura avaliada e/ou patologia em estudo.
O contraste é uma substância semelhante a um medicamento injetado na veia do paciente, e serve para realçar imagens e estruturas, ajudando a visualizar e diferenciar melhor os tecidos, vasos sanguíneos e lesões.

Bulas de contrastes de tomografia computadorizada utilizados na Ecomax:
Contraste Visipaque
Contraste Ultravist
Contraste Omnipaque
Contraste Henetix

Tomografia Computadorizada em Procedimentos Guiados
Biópsias ósseas e biópsias de órgãos e lesões

As imagens adquiridas pelo equipamento de tomografia computadorizada são utilizadas para guiar o médico no posicionamento da agulha, que precisamente chega a um ponto específico e desejado do órgão ou lesão que se deseja estudar. Por sua precisão, permite “desviar” de vasos sanguíneos e áreas nobres, tornando este tipo de intervenção mais seguro e eficaz. A agulha, ao retornar, traz consigo fragmentos de tecido que serão analisados por um laboratório de anatomia patológica, contribuindo para o diagnóstico de diversas doenças e tumores.

Colonoscopia Virtual por Tomografia

A colonoscopia virtual, ou colonografia, é um exame não invasivo, realizado no equipamento de tomografia computadorizada e que permite uma avaliação profunda do cólon e do reto (intestino grosso), com o objetivo de detectar e avaliar lesões internas nas paredes do intestino, como pólipos, inflamações, divertículos e câncer.

Antes do início do exame é administrado um relaxante muscular endovenoso com o objetivo de diminuir os movimentos involuntários do intestino, o que melhora a tolerância à insuflação intestinal e diminui os artefatos durante a aquisição das imagens.

Em seguida, é introduzida uma sonda fina no reto para insuflar o intestino com ar.

Por fim, são adquiridas imagens em duas posições diferentes: em decúbito dorsal
(barriga para cima) e em decúbito ventral (barriga para baixo). Cada uma das duas aquisições têm um tempo médio de cerca de 10 segundos e o paciente, durante este curto período, permanece sem respirar, a fim de diminuir artefatos de movimento na imagem.

Após a aquisição das imagens feita pelo técnico de radiologia, elas são processadas por um software específico que produz imagens 2D e 3D, permitindo uma navegação endoluminal, ou seja, uma avaliação minuciosa, como se estivéssemos “andando” por dentro do intestino grosso. As imagens são analisadas e interpretadas por um médico radiologista, responsável por redigir o relatório.

Após o agendamento, o paciente receberá informações sobre os preparos prévios necessários para a realização do exame, que incluem uma dieta restritiva e medicamentos. Estes devem ser iniciados cerca de 3 dias antes da data do exame e são necessários para proporcionar uma adequada limpeza do intestino, já que resíduos de alimentos no intestino podem “imitar” lesões ou escondê-las.

Tomografia Computadorizada Cardíaca

A tomografia computorizada cardíaca é um exame que serve para auxiliar o médico cardiologista no diagnóstico e na resposta aos tratamentos em diversas patologias.

Escore de cálcio

A tomografia computadorizada cardíaca com avaliação do escore de cálcio permite estudar o risco cardiovascular, possibilitando calcular a quantidade de cálcio que existe nas artérias coronárias.

A existência de placas calcificadas nas artérias coronárias é um indicador de aterosclerose ou doença arterial coronária, responsável pelos enfartes de miocárdio. Em condições normais, os vasos sanguíneos devem cumprir a sua função de transportar o sangue, devendo para tal estar desobstruídos. A doença coronária surge à medida em que as placas de aterosclerose (gordura, colesterol e cálcio) crescem, criando obstruções ou “apertando” o interior das artérias coronárias, dificultando a normal circulação do sangue e tornando-se um fator de risco para o enfarte do miocárdio.

Angiotomografia

A angiotomografia cardíaca permite avaliar a permeabilidade das artérias coronárias. Ou seja, permite visualizar as artérias e perceber se existem estenoses (apertos ou obstruções) que impeçam a normal circulação do sangue.

Esta avaliação apenas é exequível em equipamentos de tomografia modernos multicorte, sendo possível obter imagens tão rápidas como se o coração tivesse sido “congelado” no tempo.